Você está em Home >> Atualidades >> Como preparar seu filho para a vida

Siga:                         Já fez o seu cadastro? Entre aqui.

Como preparar seu filho para a vida

Que pai não sonha com a felicidade e o sucesso dos filhos? É para ajudá-los a chegar lá que sempre tentamos proporcionar as melhores experiências, a melhor escola, e, até, os melhores amigos para eles. Mas, para usufruir tudo isso, as crianças precisam aprender a lidar com os sentimentos. Só assim conseguirão superar as frustrações que vão enfrentar durante toda a vida.

Ao longo deste artigo, você vai encontrar as definições de dez habilidades emocionais fundamentais para o seu filho se desenvolver em todos os aspectos – e vai descobrir como ajudá-lo a fazer isso no dia a dia.

Basta o filho nascer, ou melhor, basta descobrirmos que vamos ser pais, para querermos ter certeza de que ele vai crescer feliz e conquistar tudo o que desejar (e um pouquinho mais, por que não?). E, para tentar garantir essa realidade, começa com que parece ser um plano infalível: oferecer bons professores e cursos de idiomas, fazer poupança para faculdade, proporcionar viagens de intercâmbio, matricular em uma atividade física...

Claro, tudo isso é de extrema importância, principalmente para que ele se desenvolva intelectualmente, adquira cultura e descubra seus talentos e preferências, mas existe outro componente fundamental, sem o qual nada disso funciona direito: a capacidade de aceitar, entender, lidar com as emoções.

Isso significa que, para enfrentar os desafios e alcançar seus objetivos, além de boas notas no boletim, seu filho vai precisar de uma boa dose de jogo de cintura para aprender a esperar, a trabalhar em grupo, a expressar suas opiniões e a não desistir de suas empreitadas. O primeiro dia na educação infantil, o fora da namorada na adolescência, a disputa por uma vaga na faculdade, a busca do primeiro emprego.

Todos obstáculos que serão superados com mais tranquilidade se ele souber administrar o que sente e pensa não só com a cabeça, mas também com o coração.
É aí que as dez habilidades emocionais vão ajudar, e muito. São elas: a autoconfiança, a paciência, a coragem, a tolerância, a persistência, o controle dos impulsos, o autoconhecimento, a empatia, a comunicação e a resistência às frustrações.

E não caberá à escola, apenas, passar esse importante aprendizado: ele está intimamente ligado aos ensinamentos que você passa ao seu filho desde o primeiro dia de vida, sem nem mesmo perceber. É como você encara cada choro, como explica e mantém cada decisão sua – de que ele não pode sempre comer só o que quiser ou fazer apenas o que tem vontade - e como administra a sensação para lá de incômoda de vê-lo triste ou magoado. Experiências desegradáveis também são fundamentais para que ele esteja preparado para tudo o que ainda vai ocorrer na vida.

E que ele precisará lidar estando você por perto ou não. Por isso mesmo é muito melhor que ele aprenda isso com o seu carinho.

Você já deve ter ouvido falar ou até já conheceu crianças com um raciocínio lógico muito rápido e apurado que não conseguem fazer amigos e entram em pânico diante de uma impossibilidade. Quando começam a vida escolar e precisam conviver com outras crianças e se adaptar a regras, elas se tornam agressivas ou acabam se isolando. É a prova de que desenvolvimento intelectual não é igual a desenvolvimento emocional.

Se você acha que seu filho é inteligente o suficiente para “pular” uma série, avalie antes, junto com os professores, se ele tem maturidade psicológica para isso. Afinal, não basta ser craque em matemática ou história. As crianças precisam aprender a usar as emoções a seu favor desde cedo. É o que os especialistas chamam de inteligência emocional.

O termo ficou conhecido em 1995, quando o psicólogo e jornalista norte-americano Daniel Goleman lançou o livro Inteligência Emocional – Por que Ela Pode Ser mais importante que o QI (Ed. Objetiva). Ele reuniu pesquisas, dados científicos, exemplos do cotidiano e informações de especialistas para falar sobre a importância de reconhecer e administrar as emoções, as nossas e as dos outros, e usá-las de maneira eficiente para tomar decisões, construir relações, alcançar objetivos e, principalmente, lidar com os altos e baixos da vida.

“A inteligência emocional nada mais é do que a capacidade de se adaptar ao mundo. O ser humano não se desenvolve, inclusive mentalmente, sem o contato com o outro e com o meio que o cerca. Por isso precisa aprender a estabelecer essas relações de uma maneira boa para ele e para os outros”, explica a psicóloga Ceres de Araújo, uma das mais importantes especialistas em crianças e adolescentes do Brasil e autora do livro Pais que Educam – Uma Aventura Inesquecível (Ed. Gente).

O equilíbrio emocional também é importante para o desenvolvimento das habilidades intelectuais: um não acontece sem o outro. Foi o que mostrou um estudo da ONG Colaboração para a Aprendizagem Acadêmica, Social e Emocional (Casel, na sigla em inglês), fundada por Goleman em 94. Os pesquisadores analisaram dados de 270.024 crianças do ensino infantil ao médio de 213 escolas norte-americanas que incluíram em seu currículo programas de ensino emocional e social (SEL, na sigla em inglês).

Nas aulas, as crianças aprendem na prática a verbalizar seus sentimentos e relacioná-los às situações. Por exemplo, contar o que fazem quando ficam com raiva (gritar, chorar, brigar). Além de melhorar suas habilidades de relacionamento e para lidar com emoções, as crianças tiveram um ganho de 11% em seu rendimento escolar. A escola é um espaço importante para o desenvolvimento emocional e social, mas os principais modelos ainda são, como sempre, os pais.

 

Aprendizado diário

Seu filho tem 3 anos e está brincando no quarto quando você entra e diz: “Hora de tomar banho!”. Não será nenhuma surpresa se a primeira reação dele for se recusar a deixar a diversão de lado. Se você insistir, é bem possível que ele tenha um ataque de choro. Isso acontece porque a criança não está conseguindo lidar com a frustração, embora pequena, de ter que parar o lazer para cumprir um dever. “O que define o desenvolvimento emocional é segurança, física e afetiva. E o que promove essa segurança é a clareza do que eu posso e do que eu não posso. Em outras palavras, estabelecer limites”, diz Edimara.

Manter-se firme e dar disciplina é o que vai garantir que essa situação de conflito ensine seu filho não só a esperar e a tolerar as impossibilidades, mas também a identificar, entender e administrar suas emoções diante de cada situação. Pegue seu filho pela mão, com carinho, mas firmeza e, enquanto o leva até o banheiro, diga que entende que ele não quer parar de brincar, mas que não há outra opção. “Os pais precisam autorizar e entender o sentimento da criança, mas ao mesmo tempo mostrar que aquilo é necessário naquele momento, que ele não precisa gostar do limite, mas tem de aceitá-lo e aprender a controlar o seu comportamento”, explica Iuri Capelatto, psicoterapeuta de crianças, adolescentes e adultos e professor de Desenvolvimento Emocional no curso de pós-graduação de Neuropsicologia Aplicada à Neurologia Infantil da Unicamp.

Para ajudar as crianças com as suas emoções os pais precisam aprender eles mesmos a lidar com situações que nunca haviam vivido antes da chegada dos filhos. Afinal, em momentos como esses, as habilidades emocionais dos próprios pais são colocadas à prova.

Como não enlouquecer diante de uma birra? De acordo com o psicólogo norte-americano Marc Breckett, pesquisador do Departamento de Psicologia da Universidade de Yale, há muitos fatores que podem influenciar a inteligência emocional de uma pessoa, como o contexto cultural, o histórico familiar e a educação, mas o mais forte ainda é o exemplo. “Nossas mais novas pesquisas mostram que a exposição a modelos de comportamento que demonstram habilidades emocionais ajuda as crianças a desenvolverem essas mesmas habilidades”.

Manter a calma diante de uma birra daquelas não é tarefa fácil, mas ao gritar de volta você só vai demonstrar que também está com as emoções à flor da pele. Sim, às vezes você perde a cabeça, mas tente contar até dez, respirar fundo e pedir desculpas. Assim você já vai estar, inclusive, ensinando seu filho a lidar com o nervosismo e a raiva quando ele se sentir assim.

 

1 - Autoconfiança

Ressaltar as qualidades do seu filho e mostrar que você acredita na capacidade dele é a chave para que ele faça o mesmo. Na hora de repreendê-lo, por exemplo, foque no comportamento ruim em vez de rotulá-lo. “É preciso censurar o fato e não quem o praticou. Se eu digo a uma criança que ela é teimosa, ela vai acreditar nisso e ser mais teimosa”, explica Edimara de Lima, psicopedagoga e diretora da Prima Escola Montessori, em São Paulo.

Reforce o que for positivo, mas não elogie sempre, só por elogiar, para não criar uma postura arrogante nem uma pessoa que não saberá lidar com críticas. No dia a dia, mostre que ele pode contar com seu
apoio para realizar tarefas simples, como escovar os dentes, mas, ao mesmo tempo, dê autonomia para que ele aprenda a fazer sozinho e encontre a sua própria maneira.

 

2 - Coragem

Ter medo de algo que não conhecemos ou não conseguimos entender é natural, e até esperado. Toda criança já teve medo do escuro ou do bicho papão. Para ajudar seu filho a encarar esses e muitos outros receios que vão surgir (do vestibular, de aprender a dirigir e até de conhecer a sogra), dê espaço para que ele expresse e entenda o que está sentindo. Uma boa dica é usar livros e filmes que falem sobre esses medos.

O primeiro dia na escola pode parecer assustador, mas depois que ele enfrentar as primeiras horas e se acostumar com a classe vai perceber que está tudo bem, e que ele nem precisava ter ficado com tanto medo. “A coragem é essencial para que possamos aceitar desafios, ir atrás dos nossos objetivos, aprender coisas novas e defender os nosso valores”, afirma Steven Brion-Meiseis, educador que há 35 anos trabalha com o tema e é professor da Escola Superior de Educção de Harvard, da Lesley University (ambas nos EUA) e da Universidade de Los Andes (Bogotá, Colômbia).

 

3 - Paciência

“Tá chegando?” Quantas vezes você já ouviu isso durante uma viagem longa? Aprender que não podemos controlar tudo e que é preciso saber esperar não é fácil nem para nós, adultos, imagine então para uma criança que está ansiosa, entediada ou ainda não entende totalmente a passagem do tempo. Mas as filas de banco e as salas de espera de consultórios médicos são apenas algumas das situações que vão exigir do seu filho paciência.

Mostre para ele que cada coisa tem o seu tempo. Um jogo em família ou uma conversa na mesa de jantar são bons exemplos de situações cotidianas em que cada um precisa esperar a sua vez, seja para jogar ou para falar e ser ouvido.

 

4 - Persistência

Quando estiver aprendendo a andar, seu filho vai se desequilibrar e cair, e por isso mesmo precisa do seu apoio e incentivo para perceber que um pouco de treino e muita persistência vão garantir seus primeiros passos. E esse é apenas um dos muitos desafios que ele vai enfrentar, então não caia na tentação de fazer tudo por ele. “O estímulo positivo é importante.

Mostre que o fato de ele não ter sucesso naquele momento, naquela atividade específica, não quer dizer que ele nunca vai conseguir vencer o desafio”, diz Quézia Bombonatto, terapeuta familiar e presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia. Só assim ele vai poder traçar metas e superar os obstáculos para alcançar seus objetivos sem desistir no meio do caminho.

 

5 -Tolerância

Quando vai para a escola, seu filho entra em contato com dezenas de outras crianças com realidades e comportamentos diversos e muitas vezes totalmente diferentes de tudo que ele conhece. Aprender a aceitar essas diferenças é o começo do caminho para uma convivência tranquila e harmoniosa com o outro. “É importante criar oportunidades de interações mais cooperativas, como jogos coletivos, para que a criança comece a conhecer tanto as regras quanto as necessidades dos outros”, afirma o psicólogo Ricardo Franco de Lima, especializado em Neurologia Infantil.

E os seus modelos também contam muito para o desenvolvimento da tolerância do seu filho. Ele só vai aprender a compreender o outro se vir os pais fazendo isso no dia a dia. Quer um exemplo? Sua atitude com os mais velhos é que vai ajudá-lo a ter paciência com os avós e com o irmão mais novo.

 

6 - Autoconhecimento

Quem sou eu? Eu gosto disso ou prefiro aquilo? Essas indagações só vão passar pela cabeça do seu filho por volta dos 3 anos. É quando ele vai começar a se questionar, a se perceber e, claro, a expressar suas vontades, agora com motivos e razões mais consistentes. Aos poucos, ele vai se conhecer melhor e isso será fundamental para que ele pense e aja com mais segurança, respeitando o que sente.

Também é primeiro passo para se relacionar com as pessoas à sua volta. “A criança aprende primeiro a se relacionar com ela mesma, a entender o que sente, para depois transferir esse conhecimento para a relação com o outro”, diz a psicopedagoga Quézia Bombonatto. Incentive seu filho a perceber quais são suas preferências, pergunte, peça
para ele explicar, conte as suas próprias histórias. Sempre ofereça opções e pergunte de qual ele gosta mais e o porquê.

 

7 - Controle dos impulsos

Uma sala vazia, uma criança de quatro anos e um marshmallow. A proposta é simples: ela pode comer o doce ou esperar e ganhar mais um, ficando com dois. Esse teste foi criado por um pesquisador da Universidade de Standford (EUA) há mais de 50 anos para analisar quais crianças eram capazes de controlar suas emoções para conseguir conter seus impulsos.

O estudo voltou a analisar as mesmas crianças anos depois, no ensino médio, e aquelas que resistiram à tentação de comer o primeiro marshmallow por cerca de 20 minutos tinham um desempenho escolar maior do que as que comeram. Isso porque elas sabiam adiar a satisfação para ter o que queremos, por isso é tão importante controlar o desejo e as reações frente aos impulsos”, diz o psicoterapeuta Iuri Capelatto.Em casa, terá dias que ela vai querer comer correndo para ganhar logo a sobremesa. Mas ensine que ele deve, primeiro, esperar todos acabarem o jantar.

 

8 - Resistência às frustrações

“Dizer não é a maior prova de amor que um pai pode dar”, afirma a psicóloga Ceres de Araújo. É assim, com pequenas doses de frustração, que seu filho vai aprender a lidar com as adversidades e a superar os problemas sem se deixar abater. Isso é o que os especialistas chamam de resiliência, ou seja, a capacidade de sobreviver às dificuldades e usá-las como fonte de crescimento e aprendizado.

Se ele não souber lidar com pequenos “nãos”, como “aí não pode”, “é hora de ir embora”, “esse brinquedo é caro demais”, terá mais dificuldade de aceitar e superar o não do chefe ou da namorada, por exemplo. E tentar poupá-lo só vai atrapalhar. “Os pais precisam parar de confundir felicidade com satisfação de desejos. As crianças precisam ter contato com pequenas impossibilidades para poder lidar com as maiores depois”, completa a psicopedagoga Edimara. Portanto, não se culpe por ter de dizer não a ele de vez em quando. Isso só fará bem para todos vocês!

 

9 - Empatia

Até por volta dos 2 anos, a criança só consegue ver as coisas a partir da sua perspectiva. A partir dessa idade ela já consegue se colocar no lugar do outro e pode começar a exercitar plenamente a empatia. “Para que seu filho entenda o que oura pessoa está sentindo, ele precisa de ajuda para reconhecer, nomear e expressar suas próprias emoções, bem como as consequências das suas ações”, diz o psicólogo Ricardo de Franco Lima.

Diante de um conflito, pergunte por que ele agiu assim, o que pensou e sentiu e incentive-o a imaginar o que o outro está sentindo também, levantando possibilidades, mas deixando que ele mesmo crie maneiras de resolver a briga.

 

10 - Comunicação

Conversar sobre o que seu filho fez durante o dia é um estímulo para que ele aprenda a organizar as ideias e transformá-las em frases de uma forma que os outros possam compreender. Provavelmente a primeira resposta será “legal”, mas não desista! Fazer outras perguntas ou até falar sobre o seu dia também pode ajudar. Afinal, de nada vai adiantar ele ter boas ideias se não conseguir contá-las aos outros. “Outras atividades que favorecem a interação verbal também são importantes, como contar e recontar histórias, interpretar essas mesmas histórias e ler um livro junto com os filhos”, diz o psicólogo Ricardo Franco de Lima.

Mas mesmo antes de aprender a falar, o bebê já se comunica por meio de gestos e precisa ser estimulado a verbalizar. Se ele apontar para um objetivo, por exemplo, em vez de entregá-lo prontamente, pergunte o que ele quer, fale o nome do objeto e dê um tempo para ele tentar articular alguns sons. Depois que ele aprender a ler e escrever, procure ensiná-lo também que, além da linguagem do bate-papo com os amigos, será importante para a vida que ele saiba o português formal, por mais complicado que isso possa parecer.

 

Fonte: Ivete Gianfaldoni Gattás, psiquiatra e coordenadora da unidade de psiquiatria da infância e adolescência da UNIFESP; Joseph Durlak, psicólogo e professor da Universidade Loyola, em Chicago (EUA); Márcia Silva Rosa, professora do ensino fundamental e médio da Escola Municipal Heráclito Fontoura Sobral Pinto, em Curitiba (PR) e Theodora Maria Mendes de Almeida, diretora pedagógica da escola de educação infantil Bola de Neve e do colégio Hugo Sarmento, ambos em São Paulo.

 

| Enviar para um amigo | Imprimir | Comentar

 

Comentários

Thalita Galvani

Sensacional. Muitas coisas já estava praticando com minha filha de 2anos e 4 meses. Outras começarei hoje mesmo.

Obrigado Thalita! Bjs

Eduardo Nogueira de Assis

Muito boa essa matéria .Lendo percebe-se em como é difícil educarmos nossos filhos, pois muitas vezes o que achamos certo só especialistas nos mostram o contrário .Obrigado por essa matéria.

Valeu Edu! É isso aí! Obrigado por nos acompanhar professor! Abs

Pediatria em foco

Atualidades | Comportamento | Doenças comuns | Higiene | MÍDIA | Nutrição | Puericultura | Saúde | Segurança | Vacinas | Curva do crescimento
DICAS | PERGUNTAS FREQUENTES | Cadastre-se

Pediatria em Foco © 2012. Todos os direitos reservados.

 

Clinica Infantil Reibscheid

Clínica Reibscheid | Links | Localização | Fale Conosco

Clínica Infantil Reibscheid © 2012. Todos os direitos reservados.

Telofone:  11 3801-2676

Horário de funcionamento / atendimento: Segunda a sexta, das 10h às 19h

 

Desenvolvido por: Floot Digital