Você está em Home >> Nutrição >> Leite de vaca X Bebês menores de 1 ano

Siga:                         Já fez o seu cadastro? Entre aqui.

Leite de vaca X Bebês menores de 1 ano

A nutrição de bebê, principalmente quando se trata do primeiro ano de vida do lactente (de 0 a 12 meses), ainda é um tema muito debatido por diversas associações médica, tanto no âmbito nacional, como no âmbito internacional. Esta preocupação não é para menos: em nenhum outro momento da vida do ser humano ocorre um ganho de peso, um crescimento na estatura, e um desenvolvimento neuorpsicomotor de forma tão intensa.

Nesta fase da vida da criança, o leite (materno, de vaca ou fórmula infantil) chega a representar de 35 a 100% da ingestão total de alimentos, dependendo da idade do bebê. Assim, a escolha por um leite adequado que será oferecido é fundamental. Dentre as possibilidades temos: o leite materno, o leite de vaca integral (LVI) ou fórmulas lácteas infantis.

No entanto, estes leites diferem bastante entre si.
Sem dúvida, o leite materno preenche todas as necessidades nutricionais do lactente até o 6o mês de vida, sendo também recomendado como o leite de escolha entre o 6o e o 12o mês junto à alimentação complementar. Ele não é apenas uma fonte de nutrientes especificamente adaptada à capacidade metabólica do bebê, como também uma substância viva de grande complexidade biológica, ativamente protetora de infecções e alergias, por exemplo. Na impossibilidade do uso do leite materno, surgem várias questões sobre a adequação do leite de vaca integral (LVI) como fonte de nutrientes para o lactente.

No Brasil, o leite de vaca é a principal alternativa para as mães que não podem amamentar seus filhos. Esta realidade existe principalmente em populações com um poder econômico reduzido, visto o menor custo deste produto frente às fórmulas infantis. Entretanto, quando se trata da oferta de LVI para nossas crianças, não podemos deixar de lado os cuidados a serem tomados nesta prática.
Já há alguns anos têm sido descrito por diversos profissionais da área que o consumo de LVI por crianças menores de 1 ano está associado ao aparecimento da anemia ferropriva (anemia por deficiência de ferro).

Além do baixo teor, o ferro do leite de vaca não é bem absorvido pelo organismo de lactente. Outro fator agravante que contribui o aumento do risco de deficiência de ferro e anemia no 1o ano de vida é o fato de que o consumo de leite de vaca está associado à perda de sangue pelas fezes de uma maneira despercebida pelas mães e cuidadores. Tal evento cessa após a criança completar 1 ano, idade esta em que o trato gastrointestinal já está mais desenvolvido.

Ainda também em virtude de um trata gastrointestinal não totalmente desenvolvido, o consumo de LVI por crianças menos de 12 meses têm sido relacionado como um fator predisponente no aparecimento da alergia a proteína do leite de vaca, uma condição que afeta 0,4% a 7,5% das crianças de 0 a 2 ano de idade. Além disso, a exposição precoce da criança ao LVI aumenta o risco não somente de reações adversas a este leite, como também de alergias a outros alimentos.

Outro risco associado a sua ingestão é o de desenvolver uma sobrecarga renal, com distúrbios de eletrólitos e com elevação de sódio no sangue. Apesar das funções metabólicas e excretoras do lactente
normal acima de 6 meses de idade estarem mais maduras e, na maioria das vezes, poder suportar bem esta sobrecarga, a margem de segurança continua sendo maior quando o alimento é o leite materno ou algum fórmula modificada.

Existe ainda o risco de deficiência de cobre, zinco, vitamina A, C, E e ácido fólico e gorduras essenciais (ômega 3 e ômega 6) principalmente quando se utiliza o LVI muito diluído, prática esta comumente observada. Deficiência de algumas vitaminas pode ser ainda agravada pelo processamento térmico do leite.

Dada as evidências, não se recomenda então a utilização do leite de vaca integral na alimentação da criança durante o primeiro na de vida. Contudo, esta realidade nem sempre é possível, visto que o poder aquisitivo da maioria da população brasileira é baixo.
Quando da utilização do LVI, esta prática irá requerer cuidados com determinadas modificações, no intuito de reduzir a possibilidade de riscos para a saúde da criança.

Para aquelas crianças impossibilitadas de serem alimentadas com leite materno desde o nascimento, recomenda‐se que o LVI seja diluído preferencialmente até o 5o mês do lactente. No 1o mês, preconiza‐se uma diluição de 50%, isto é 1 parte de LVI em 1 parte de água. Do 2o ao 4o mês, 2 partes de LVI em 1 parte de água.

Essa diluição visa à redução do excesso de proteínas e eletrólitos.
Contudo, qualquer que seja a diluição adotada, concomitantemente haverá sempre a redução na quantidade de energia fornecida ao lactente, sendo que esta deve ser corrigida a fim de suprir as necessidades do pequeno. Usualmente, a correção é feita com o acréscimo de carboidratos, como as farinhas. Deve‐se evitar a utilização do açúcar simples devido ao poder em potencial de provocar diarréia nesta fase da vida.

 

Atenção!

 

• O leite desnatado é contra‐indicado para a criança, pois além de possuir densidade energética muito baixa, pode causar deficiências severas de gorduras essenciais e determinadas vitaminas.
• Os leites achocolatados também devem ser evitados durante o 1o ano e vida devido à presença de alguns fatores antinutricionais do chocolate, os quais podem comprometer a utilização da proteína e do cálcio do leite.
• E por fim, o leite de vaca não submetido a processamento térmico prévio é desaconselhável. Leites in natura expõem a criança ao risco de doenças como tuberculose, dentre outras, podendo este leite ter uma condição de higiênico‐sanitária precária.

 

Então, já sabe:

Na ausência do aleitamento materno, procure a fórmula infantil mais adequada, em parceria com o pediatra.

 

Fonte: Nutrociência e Clínica Infantil Reibscheid

 

 

| Enviar para um amigo | Imprimir | Comentar

 

Comentários

Mônica

Minha filha de 3 meses toma formula depois de mamar no peito, pois tenho pouca produção. Ela pesa 5.700g e costuma tomar 150ml da fórmula, mas vem querendo tomar mais, existe uma quantidade certa de fórmula a oferecer? Outra dúvida é: me disseram que a fórmula tem que ser feita com o leite fervendo, porém costumo ferver a água filtrada por cinco minutos, espero amornar ou esfriar e misturo o leite, está errado? Agradeço a atenção.

Mônica, o preparo está de forma correta. Ofereça o quanto ela quiser da fórmula. Depende da fome... Abs

Pediatria em foco

Atualidades | Comportamento | Doenças comuns | Higiene | MÍDIA | Nutrição | Puericultura | Saúde | Segurança | Vacinas | Curva do crescimento
DICAS | PERGUNTAS FREQUENTES | Cadastre-se

Pediatria em Foco © 2012. Todos os direitos reservados.

 

Clinica Infantil Reibscheid

Clínica Reibscheid | Links | Localização | Fale Conosco

Clínica Infantil Reibscheid © 2012. Todos os direitos reservados.

Telofone:  11 3801-2676

Horário de funcionamento / atendimento: Segunda a sexta, das 10h às 19h

 

Desenvolvido por: Floot Digital