Você está em Home >> Saúde >> Autismo

Siga:                         Já fez o seu cadastro? Entre aqui.

Autismo

Autismo é um termo geral usado para descrever um grupo de transtornos de desenvolvimento do cérebro, conhecido como Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD).
Muitos pais e profissionais usam o termo “Transtornos do Espectro do Autismo” (TEA) quando se referem a este grupo de transtornos. Você também pode ouvir os termos “Autismo Clássico” ou “Autismo de Kanner” (nome do primeiro psiquiatra a descrever o Autismo), usados para descrever a forma mais grave do transtorno.

 

“O autismo não é um transtorno com uma causa, mas um grupo de transtornos relacionados com muitas causas diferentes” (Autismo: Manual para as Famílias).

 

As características que indicam transtornos globais do desenvolvimento em crianças aparecem principalmente na fase dos relacionamentos sociais.

Os Sintomas presentes nas crianças autistas são identificáveis como, por exemplo, quando preferem estar só, não formam relações pessoais intimas, não abraça, evita contato no olho, resiste a mudanças, é excessivamente presa a objetos familiares e repete continuamente certos gestos e rituais, começa a falar mais tarde, podem usar o idioma de modo estranho ou pode não conseguir usá-la, pode não querer não poder ou não querer falar nada.

A criança autista pode ter dificuldades a entender o que falamos, pode repetir as palavras dita a ela mesma (ecolalia), inverte o uso de pronomes usando principalmente o ‘tu’ em vez do eu ou mim para referir-se a si própria.

Devemos lembrar que em função da evolução dos tratamentos, o autista tem conseguido cada vez mais melhorar esse padrão de relacionamentos interpesoais.


A Síndrome de Asperger (SA) é um distúrbio que se classifica na mesma família do Autismo.
Trata-se de um distúrbio neuro-biológico geralmente considerada como pertencente ao espectro do autismo.

Essa síndrome foi mais recentemente classificada como um transtorno invasivo de desenvolvimento.
A prevalência estimada é uma em 250 crianças, não sendo, portanto, uma doença rara.
Essa síndrome parece ter uma prevalência maior no sexo masculino.

Pacientes com síndrome de Asperger têm capacidade intelectual dentro da normalidade, no entanto, possui um perfil diferente de habilidades aparentes desde a infância.
Eles podem apresentar problemas comportamentais e deficiências em habilidades sociais e de comunicação. É comum ainda a repetição de comportamentos ou rituais.
Não existe tratamento específico ou cura para a síndrome de Asperger.
As intervenções são principalmente sintomáticas e / ou de reabilitação.

O tratamento terapêutico Psicológico na Abordagem da Terapia Cognitiva e Comportamental é o que melhor tem apresentado resultados.
Causas: Os estudos sugerem uma herdabilidade muito alta como umas das causas do autismo, mais ainda quando se considera a presença de traços do espectro autista. Embora genético, parece não existir um único gene que determina o autismo, e sim uma interação entre múltiplos genes. Isto é, uma família pode ter um indivíduo com autismo e outros apenas com um atraso de linguagem, outros com interesses restritos, etc.

 

Tratamento

Os tratamentos do autismo para o Transtorno do Espectro Autista geralmente são programas intensos e abrangente que envolve a criança, a família e os profissionais, sendo indicado começar o mais cedo possível. Os programas de intervenção para os principais sintomas abordam as questões sociais, de comunicação e cognitivas centrais do autismo. Os objetivos do programa para o tratamentos do autismo são traçados de acordo com as dificuldades e habilidades da criança, sendo levada em conta a fase de desenvolvimento em que se apresenta. Geralmente a intervenção comportamental, a terapia fonoaudiológica, ocupacional e psicopedagógica fazem parte do programa para os tratamentos do autismo.

 

Principais métodos de intervenção para os tratamentos do autismo:

Análise do Comportamento Aplicada (ABA): técnica utilizada nos tratamentos do autismo para diminuir os comportamentos problemáticos relacionados ao autismo. O alvo é a ampliação e aquisição de comportamentos inexistentes no repertório; diminuição de comportamentos em excesso e que são inadaptativos, visando a construção de um repertório comportamental que se sustente em diferentes ambientes, com diferentes pessoas, gerando inclusão social, escolar e profissional para o autista.

 

TEACCH – Treinamento e Ensino de Crianças com Autismo e Outras Dificuldades de Comunicação Relacionadas: oferece estratégias cognitivas e comportamentais nos tratamentos do autismo que auxiliam os professores a intervir na capacidade de aquisição de habilidade do aluno. O método fornece técnicas de organização, estruturação, repetições e treinamento, considerando pré-requisitos importantes para a alfabetização. O ambiente físico e social é organizado com a utilização de recursos visuais, para que a criança possa prever e compreender as atividades diárias com mais facilidade e ter reações apropriadas.

Os programas de TEACCH são geralmente dados em uma sala de aula, mas também podem ser feitos em casa e são usados em conjunto com aqueles destinados à sala de aula. Os pais trabalham com os profissionais como co-terapeutas para que as técnicas possam ter continuidade em casa. É usado por psicólogos, professores de educação especial, fonoaudiólogos e profissionais devidamente treinados.
Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (PECS – Picture Exchange Communication System): é um sistema de ensino que permite à criança com pouca ou nenhuma habilidade verbal comunicar-se usando figuras.

O PECS pode ser usado em casa, na sala de aula ou em vários outros ambientes. Um terapeuta, professor, pai ou mãe ajuda a criança a construir vocabulário e articular os desejos, observações ou sentimentos usando as imagens sistematicamente.

 

Terapia fonoaudiológica: abrange uma série de técnicas e trata de uma gama de desafios para crianças com autismo. Por exemplo, alguns indivíduos não conseguem falar. Outros parecem adorar falar. Mas ambos podem ter dificuldade na compreensão da informação ou dificuldade de comunicar-se.

Os tratamentos do autismo fonoaudiológico para crianças com autismo visa coordenar a mecânica da fala com o significado e valor social da linguagem. Dependendo da aptidão verbal do indivíduo, o objetivo pode ser o domínio da língua falada ou pode ser o aprendizado de sinais e gestos para se comunicar. Em cada caso, o objetivo é ajudar a pessoa a aprender a comunicar-se de forma útil e funcional.

 

Terapia Ocupacional (TO): trabalha conjuntamente habilidades cognitivas, físicas e motoras. O objetivo é ajudar a pessoa a se tornar funcional e independente. Para uma criança com autismo, o foco pode ser as habilidades de brincar e aprender, assim como habilidades básicas para atividades de vida diária (ex: saber se vestir, se alimentar, se arrumar e usar o banheiro de forma independente e melhorar as habilidades sociais, motoras finas e de percepção visual).

 

Fisioterapia: concentra-se em qualquer problema do movimento que cause limitações funcionais. Crianças com autismo muitas vezes têm dificuldades motoras, tais como dificuldades para sentar, andar, correr e pular. A fisioterapia também pode tratar a falta de tônus muscular, equilíbrio e coordenação.

 

Acompanhamento psicopedagógico: busca desenvolver recursos para a aprendizagem, instrumentalizando com técnicas que o facilitem a aprender, investindo no potencial (habilidades) encontrado.

 

Acompanhamento psicológico: Individual e suporte familiar

 

Fonte: Fernanda Grimberg, Psicóloga  - Elina Curatolo, Psiquiatra  - ONG - Autismo e Realidade AMA (Associacao dos Amigos do Autista)

 

 

| Enviar para um amigo | Imprimir | Comentar

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado

Pediatria em foco

Atualidades | Comportamento | Doenças comuns | Higiene | MÍDIA | Nutrição | Puericultura | Saúde | Segurança | Vacinas | Curva do crescimento
DICAS | PERGUNTAS FREQUENTES | Cadastre-se

Pediatria em Foco © 2012. Todos os direitos reservados.

 

Clinica Infantil Reibscheid

Clínica Reibscheid | Links | Localização | Fale Conosco

Clínica Infantil Reibscheid © 2012. Todos os direitos reservados.

Telofone:  11 3801-2676

Horário de funcionamento / atendimento: Segunda a sexta, das 10h às 19h

 

Desenvolvido por: Floot Digital